W. VERÍSSIMO FOI NOTÍCIA NO JORNAL DIÁRIO DE SÃO PAULO DO DIA 13/01

logo_dirio_de_so_paulo

TOM MAIOR TERÁ DESTAQUE APENAS COM TINTA NO CORPO

O ator Alexandre Frota topou o desafio de sair pintado e de tapa-sexo

alexandre_frota A Tom Maior vai levar para a avenida um carro alegórico com seis destaques masculinos ‘nus em tinta’. Eles terão o corpo totalmente depilado e usarão apenas um tapa-sexo adesivo para que possam ter o corpo coberto pela pintura. O ator e diretor Alexandre Frota é um dos que toparam o desafio de ir para a avenida com a fantasia desenhada no próprio corpo.

O trabalho ficará sob responsabilidade do artista plástico W. Veríssimo, que participa de um quadro do programa “Tudo é possível”, da Rede Record. Ele traz também a experiência de oito anos de Carnaval em São Paulo e no Rio de Janeiro. “A pintura irá simular as roupas de surfistas, já que os modelos sairão no carro que representará a prática de esportes radicais no Lago Paranoá, de Brasília”, afirma o presidente da Tom Maior, Marko Antônio da Silva.

O enredo da agremiação este ano faz um homenagem aos 50 anos da capital federal.

Entretanto, antes de exibirem os corpos pintados na avenida, os modelos terão que ter paciência.

O processo de pintura leva cerca de duas horas e meia em cada pessoa. Mas como cada parte do corpo é pintado de uma vez, é preciso ficar o dia todo à disposição do artista. “Ao contrário do que se pensa, pinto primeiro a parte de cima de todos os modelos e depois as outras partes”, explica W. Veríssimo, que calcula que irá trabalhar cerca de 12 horas consecutivas até concluir a tarefa.

Para que a pintura fique perfeita, é preciso que o modelo esteja todo depilado. “Eles terão que se depilar inteiros, porque senão a tinta fica estranha”, explica W. Veríssimo, afirmando que a tinta desenvolvida por ele especialmente para a pintura de pele — seca em 15 minutos.

Outra curiosidade no processo de produção é o uso do tapa-sexo. Segundo Veríssimo, os modelos usarão um modelo adesivo desenvolvido por ele. “É um tapa-sexo que adere na pele e não deixa marca. É a última etapa da pintura, cerca de uma hora antes do desfile”, diz o artista, que recomenda àqueles que toparem o desafio ingerir pouca água para evitar ir ao banheiro.

“Não tem jeito. Tem que segurar pelo menos umas quatro horas”, detalha. Se há algum constrangimento na hora de pintar homens e mulheres, Veríssimo diz que acaba com ele descontraindo o ambiente. “Pessoas que não estão acostumadas, ficam à vontade quando veem a minha seriedade.

Encaro pelo lado artístico. Pinto como se estivesse pintando uma tela”, conclui Veríssimo.

Fonte: Jussara Soares - Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.